A fábrica de louça que se instalou em Sacavém, devido à proximidade do rio Tejo e do caminho-de-ferro, transformou radicalmente toda uma região, tornando camponeses em operários e elevando um lugar ao estatuto de vila, hoje cidade. Teve uma produção extensa e diversificada, que abrangeu a loiça de serviço doméstico, loiça decorativa, loiça sanitária e também azulejos e mosaicos.

O crescente aumento da qualidade da loiça, no final do séc. XIX, devido ao desenvolvimento técnico do fabrico, deu origem à popularidade da Fábrica de Loiça de Sacavém, que cresceu em termos de espaço, tecnologia e colaboradores.

Marcou o País quando se tornou na maior fábrica de cerâmica da Península Ibérica e atraiu, através da sua imagem e qualidade, colecionadores que preservam a memória e a tornam actual, na ávida procura de muitas das suas peças.

Fundada por Manuel Joaquim Afonso, a Fábrica de Loiça de Sacavém passou, pouco tempo depois, a ser pertença de três famílias inglesas residentes em Portugal (Howorth, Gilman e Gilbert), que a mantiveram e desenvolveram durante a maior parte da sua existência de cerca de 130 anos. A obra pretende dar ao leitor uma perspectiva menos conhecida desta empresa. As partes interessadas na memória da Fábrica de Loiça de Sacavém – antigos trabalhadores, membros das famílias que geriram a empresa, investigadores, museus, colecionadores e suas associações – encontram neste livro um lugar de comunhão do seu interesse e um estímulo para continuarem a conservar a sua memória

SACAVÉM, A OUTRA LOIÇA

22,00 €Preço
  • Título: Sacavém, a outra loiça

    Edição: Câmara Municipal de Loures; Clive e Emma Gilbert; Associação dos Amigos da Loiça de Sacavém

    ISBN: 978-972-9142-58-1

    Páginas: 176